Amnésia

4 de agosto de 2009 — Deixe um comentário

 

É engraçado como tendemos a nos comportar após alguns anos de evangelho. Geralmente, experimentamos certo tipo de amnésia, que “apaga” dos nossos registros o tempo em que éramos miseráveis pecadores, entregues às paixões carnais e ao domínio do diabo.

Não que eu esteja pregando que devemos cultivar esta consciência, e viver todos os dias das nossas vidas numa espécie de “saudosismo do velho homem”. No entanto, tenho visto que quando nos entregamos a essa “amnésia”, tendemos ao legalismo e à crueldade para com nossos “irmãos pródigos”.

Muitos não admitem, outros não o sabem, mas a verdade é que aqueles que estão ainda escravizados pelo pecado são nossos irmãos, que deixaram a casa do Pai, e ainda não “caíram em si”, reconhecendo a tolice que estão cometendo ao rejeitar o perdão divino.

Eles estão perdidos no mundo, precisando de luz para que achem o caminho de volta à comunhão com o Pai, e nosso papel não é o de tratá-los com desprezo, mas de amá-los com o mesmo amor que o Pai os “espera na varanda”.

Acontece que ouvimos muito sobre nossa nova realidade. Somos exaustivamente ensinados sobre o fato de sermos a Justiça de Deus, declarados justos por ele e termos a condição privilegiada de entrar com ousadia no santo dos santos, junto ao trono da graça sem medo, culpa ou condenação diante de Deus, Aleluia!

Isso tudo seria uma bênção, se não nos deixássemos desequilibrar e não nos “embaçasse a vista” para outras realidades que devemos considerar, nos dando uma falsa impressão de que somos seres “super-especiais”, “super-crentes”, imunes à deslizes ou falhas, ou ainda, que embora falhemos mais do que muitos deles, tendemos a continuar com aquela sensação de “classe superior”, quase como um neonazismo cristão. (A propósito, não era em nome de Cristo que Hitler dizimava os judeus…?)

Bom, a questão é que o fato de reconhecermos o nosso lugar no Reino de Deus, não nos dá status de juízes, nem tampouco legalidade de nos sentirmos tão maravilhosos e perfeitos que tratemos o pecador sem misericórdia.

Não devemos nos esquecer que foi por causa da misericórdia de Deus que fomos alcançados, não das nossas próprias obras, ou por que fomos tão bons que Deus tenha nos promovido!

Estávamos lá: no lamaçal do pecado. Imundos, vazios, destruídos… Mortos!

Éramos tão pecadores quanto qualquer um deles, e precisamos um dia da misericórdia e do amor de Deus tanto quanto qualquer um dos mais perdidos pecadores que existam por aí precisa.

Você pode até pensar: “eu nunca me embriaguei, nem me prostituí; não me droguei, não matei e não roubei… nunca passei perto deste tipo de pecado e sempre me inclinei para as coisas do Senhor”, e isso talvez te dê uma sensação de que, de certa forma, fosse “mais fácil” ou “mais agradável” pra Deus te salvar. Mas a palavra diz:

(Romanos 3.23) – Porque TODOS PECARAM e destituídos estão da glória de Deus;

Não apenas alguns de nós pecamos. Mais cedo ou mais tarde, em maior ou menor grau, seja numa pequena mentirinha ou num drástico crime, todos nós fomos contaminados pelo pecado e, portanto NECESSITAMOS DA MISERICÓRDIA DE DEUS!

Pecado é pecado. Não existe meio pecado. Deus não tem mais nojo de uns pecados do que de outros, como se ele pensasse que “até pode passar um pouquinho de racismo, mas homicídio… aí é demais!!!” Não! A natureza santa de Deus não suporta nem admite qualquer pecado, seja ele qual for! Ou temos por acaso desconsiderado que o pecado de Adão não foi tão abominável quanto a maioria dos que conhecemos?!

Você já parou pra pensar nisso???

Adão não matou, não roubou, não traiu Eva, não consumiu nenhuma erva alucinógena no jardim do Éden (nem a traficou), não abusou sexualmente de Abel ou Caim… Enfim, ele “SÓ” desobedeceu…

Daí, percebemos que a única diferença entre nós e os nossos “irmãos perdidos”, é que um dia resolvemos reconhecer que precisávamos de Jesus. Nós éramos tão devedores quanto qualquer pecador, e precisamos da misericórdia e da graça de Deus quanto qualquer outra criatura da face da terra. Só que nos esquecemos disso e, consequentemente, de usar de misericórdia e amor para com os que ainda estão cegos!

Desejo ardentemente que remediemos esta “amnésia” com as Palavras do Espírito por meio de Paulo. Deixo os seguintes versículos para a meditação da igreja, em nome do Senhor Jesus!

(2 Corintios 4.1-4) – Pelo que, tendo este ministério, assim como JÁ ALCANÇAMOS MISERICÓRDIA, não desfalecemos; pelo contrário, rejeitamos as coisas ocultas, que são vergonhosas, não andando com astúcia, nem adulterando a palavra de Deus; mas, pela manifestação da verdade, nós nos recomendamos à consciência de todos os homens diante de Deus. Mas, se ainda o nosso evangelho está encoberto, é para aqueles que se perdem que está encoberto, NOS QUAIS O DEUS DESTE SÉCULO CEGOU O ENTENDIMENTO DOS INCRÉDULOS, PARA QUE NÃO LHES RESPLANDEÇA A LUZ DO EVANGELHO DA GLÓRIA DE CRISTO, o qual é a imagem de Deus.

Luciana Honorata

 

Anúncios

Nenhum Comentário

Seja o primeiro a iniciar uma conversa!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s