Equilibrismo

16 de novembro de 2010 — Deixe um comentário

Eu tenho uma séria desconfiança de que todo crente já passou por isso, embora não arrisque generalizar por conhecer meu próprio testemunho e o de alguns irmãos próximos, mas é fato comum se ouvir algum crente dizendo: “eu já fui radical um dia”.

“Radical” leia-se: “desequilibrado, tendencioso, exagerado”.

Há em nós uma tendência arriscada para os extremos. Tudo quanto queremos e sabemos parece ser o certo, é sempre muito bom e não se discute mais isso. Somos altamente parciais e tendenciosos. Nossos avós chamam esse fenômeno de “viseira de burro”. Você já viu uma?!? Ela é colocada nas laterais da cabeça do animal para que ele não enxergue nada mais do que está exatamente diante dos seus olhos.

Muitos de nós andamos com “viseiras de burro” invisíveis. Elas estão nas nossas mentes: na nossa visão preconceituosa, religiosa, parcial. Nós vemos uma parte e queremos decifrar o todo. Nós conhecemos um lado e desprezamos o que está oculto. Julgamos um pelo outro, porém, muito antes de ter a visão geral da “coisa”.

Demoramos a acertar o caminho da cruz porque tudo o que sabíamos sobre o evangelho era algo a respeito de homens e mulheres barulhentos com folhetos nas calçadas, caixas de som ecoando hinos da harpa em plena praça e alguns escândalos de “religiosos mercenários”. Então, recusávamo-nos a olhar a outra face.

O poder de Deus então enfim nos alcançou… Alguém nos mostrou o “outro lado” e precisamos admitir que, de fato há algo de realmente bom, ou melhor, que na realidade é VERDADEIRAMENTE benéfica, agradável e fascinante a vida com Deus.

O problema é que, conosco, trazemos a nossa tendência preconceituosa e radicalista para o lado de cá, e aí desequilibramos de novo.

Então, abraçamos a verdade de tal modo que não queremos nos desvencilhar dela. Ela nos salvou. Aleluia! Precisa ser pregada, anunciada, amada, idolatrada, salve, salve! Precisa ser estudada, garimpada, vivida, praticada… Enfim, a gloriosa verdade nos consome!

Agora, somos o povo escolhido! Agora, somos do Reino eterno de Deus! O sacerdócio santo e separado. E quem são os outros?!?

Oh… são apenas pecadores, filhos do diabo, controlados pelos demônios e que não sabem o que é liberdade.

E os nossos irmãos desviados? São quase apóstatas que conhecem o caminho da verdade, mas não se firmam. “Bem feito!” – alguns diriam – “já que não querem Jesus…”.

Deus tenha misericórdia de nós!

Tornamo-nos pessoas legalistas, sem misericórdia, presunçosas e partidárias. Levantamos a bandeira da nossa congregação e estufamos o peito, cheios de orgulho porque temos a Palavra Revelada! Como se ela não estivesse na Bíblia, mas com um punhado de “crentes especiais”.

Sobretudo enquanto ainda meninos na fé, somos rápidos para julgar e apontar os pecados dos outros. Cada passo fora da linha, cada palavra de incredulidade, cada pequeno detalhe é observado. Tornamo-nos implacáveis não apenas conosco, mas com todos. Totalmente desequilibrados!

Com o passar do tempo e um coração sincero, desejoso de acertar, a vida nos mostra o quanto ainda temos que aprender, e como não devemos roubar das pessoas o direito de crescer, de cometer os próprios erros e arrependerem-se.

O nosso espírito foi salvo, graças a Deus. Mas a nossa humanidade não foi perdida com isso. Temos muito trabalho ainda a fazer! Precisamos doutrinar uma alma teimosa e volúvel. Ora ela quer estar conosco, ora com a “inimiga íntima”, a nossa carne. Esta, só será vencida no dia em que o Senhor vier nos buscar para estar com ele.

A questão é: estamos todos no mesmo barco. Todos precisamos crescer, todos usufruímos da graça, todos precisamos da misericórdia… TODOS!

Aqueles que não erram nas palavras, erram nas intenções ou nas ações. Aqueles que não mentem, podem fazer acepção de pessoas ou difamar um irmão… Enfim, não importa! O que interessa é que o julgamento cabe a Deus e não a nós. Só ele tem a visão absoluta dos fatos, dos corações, das intenções… Ele é o juiz, não o nosso “achismo”. Ele tem uma visão privilegiada de tudo e, portanto, um julgamento imparcial e justo.

A nossa parte é, sem sombra de dúvidas, a de sermos gratos pelas novas chances que ele nos concede diariamente, e vivermos como “equilibristas” esforçando-nos para não cair nem de um lado, nem de outro, mas andando na linha da verdade do amor de Deus, que nunca falha.

(Hebreus 4.13) – E não há criatura que não seja manifesta na sua presença; pelo contrário, todas as coisas estão descobertas e patentes aos olhos daquele a quem temos de prestar contas.

Luciana Honorata

 

Anúncios

Nenhum Comentário

Seja o primeiro a iniciar uma conversa!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s