Arquivos para conselho

Eu tenho inveja da minha prima. Mas é aquela “inveja branca”, de tiete, tipo aquela que dá quando você vê Celine Dion cantando e, ao mesmo tempo que acha incrível, maravilhoso, estonteante e todos os sinônimos superlativos que existam, lamenta não conseguir imitar a performance à altura. “Como eu queria cantar como ela!”, você pensa, “um dia, quem sabe, eu chego lá”.

É que ela escreve melhor do que eu. Ela é descolada, divertida, hilária e emocionante. Tudo ao mesmo tempo (ou no tempo certo). Dá vontade de ler mais e mais das coisas que ela escreve, e às vezes é só um email de “oi, ta tudo bem com você?”, e zé fini! Dá raiva! Você fica querendo mais e acabou logo ali, no “dá notícias”.

Mais raiva ainda, porque ela não se esforça pra isso, simplesmente flui dela, como águas de um rio. A danada pensa daquele jeito… vê se pode!

Foi por isso que, desde que ela me mandou (há um bom tempo) um bendito e-mail acerca das coisas do coração (mentira, era sobre minha solteirice :-P, rs…), eu pensei Continue lendo…

Anúncios

Você é normal?

1 de abril de 2011 — 2 Comentários

Oi gente!

Hoje eu vou postar um texto da Klycia que achei super interessante sobre identificação, o qual retirei do Portal Verbo da Vida. Vale a pena ler e conferir se você é normal, né? Acho que eu me senti mais normal um pouco depois que li… rs… =)

Fiquem na paz e até o próximo post!

Algum dia, você já se perguntou se era normal? Eu confesso que, às vezes, me pergunto isso. A verdade é que sempre procuramos estar dentro de um padrão de normalidade para nos sentirmos confortáveis e justificadas quanto ao que somos e fazemos. Continue lendo…

Clichês

17 de março de 2011 — 4 Comentários

Oi gente! Voltei!!!

Depois de quase um mês de “férias” do blog, finalmente vou postar algo. É algo que vinha sempre voltando à minha mente como tema, e decidi me render. Espero que você seja abençoado!

Abraço grande!

Clichês

Houve um tempo na minha vida em que eu odiava clichês. Para mim, eles pareciam coisa de gente preguiçosa, que não sabia ou não queria pensar com a própria cabeça, que não queria construir alguma coisa original e particular. Eu fugia disso “como o diabo foge da cruz”, evitando falar ou fazer qualquer coisa muito ordinária, previsível ou óbvia demais. Continue lendo…

A Parábola da Rã

5 de janeiro de 2011 — Deixe um comentário

Uma pequena história sobre como o orgulho e a vaidade podem arruinar a mais brilhante performance.

Como eu havia prometido ontem, vai aqui a parábola da rã. Já que estamos meditando sobre humildade e orgulho, ela vai nos ajudar um pouco na tarefa de auto-análise. Será que é este o tipo de atitude que nós temos em nossa vida cristã? Bem, vale a pena pensar um pouco e checar se há algo disto em nós…

“Uma rã se perguntava como podia afastar-se do clima frio do inverno. Uns gansos lhe sugeriram que emigrasse com eles, mas o problema era que a rã não sabia voar.

“Deixem-me pensar – disse a rã – tenho um cérebro esplêndido.”

Logo pediu a dois gansos, que a ajudaram a apanhar um galho forte, cada um sustentando-o por uma extremidade. A rã pensava em segurar-se pela boca. Continue lendo…

Mulher que se preza

26 de novembro de 2010 — 2 Comentários

Mulher que se preza, é mulher que se ama.  Esta assertiva não saiu do meu coração por dias a fio, numa espécie de lembrança recorrente, como aqueles conselhos de mãe que nos acompanham por toda a vida, mas que me foi dado pelo Espírito de Deus.

Tenho compreendido o valor do respeito a si mesma, às próprias limitações, às nossas peculiaridades, à maneira que o Senhor nos criou. Num mundo dividido entre o desprezo ao sexo frágil e o feminismo exacerbado, há certa dificuldade de nos vermos sob a ótica da Palavra de Deus.

É difícil, no fim das contas, equilibrarmos o nosso ego e encararmos as nossas qualidades com a modéstia de quem as reconhece como dons, enquanto aceitamos as nossas limitações com a consciência de quem sabe que não foi chamado para tal tarefa.

São muitas vozes, ora subestimando o nosso potencial, ora injetando revolta e soberba nos nossos corações, pervertendo a criação de Deus, chamando-nos a ocupar uma “poltrona” que não nos cabe, e o resultado de tudo isso é a frustração! Continue lendo…