Arquivos para ponto de vista

Feias Bonitas

22 de agosto de 2011 — 7 Comentários

Vou confessar algo a vocês: a habilidade que algumas pessoas têm com as palavras me fascina. O poder de expressar um pensamento de forma bela, graciosa e interessante é uma arte que faz meu queixo cair. Não conheço muito da obra da autora – Martha Medeiros – e também não sei se ela é cristã, logo, vou avisando que desejei compartilhar este texto tanto pelo conteúdo (que fala de verdades que eu mesma nunca consegui transferir para o “papel”, embora pensasse igualzinho), como pela destreza com a qual foi escrito.

Aprendi que todo dom perfeito vêm do alto, descendo do Pai das Luzes… (Tg 1.17) Me alegro quando vejo um dom de Deus sendo expressado. Espero que você também goste.

Graça e Paz… Até o próximo post!

“Se você não é nenhuma Gisele Bündchen, não há motivo para se desesperar em frente ao espelho. Quem dera ser uma deusa, mas não sendo, há chance de ser incluída no time das interessantes. Junte nove lindas e uma mulher interessante e será ela quem vai se destacar entre as representantes do marasmo estético. Perfeição, você sabe, entedia. Continue lendo…

Anúncios

O Poder das Palavras

21 de junho de 2011 — Deixe um comentário

Desde que descobri que há poder nas palavras, sou apaixonada por elas e pelo que elas podem fazer conosco. Palavras, quando bem usadas, podem abrir portas, facilitar as coisas, conquistar pessoas, transformar circunstâncias… Este vídeo demonstra essa realidade de forma magnífica! Olha que show!!!

Beleza Cansa

23 de março de 2011 — 1 Comentário

Então gente, já que estamos falando de beleza e da sua influência, lembrei deste artigo da coluna de Ivan Martins sobre o assunto que eu acho show de bola! Ele sabe se expressar como poucas pessoas, e fala do assunto de maneira singular. Se liga aí na argumentação dele porque é mesmo interessante. Abração!

“Vivemos num mundo obcecado pela beleza humana. Ela está na televisão, nos filmes, na capa das revistas, no balcão das lojas do shoping e no restaurante descolado, onde garçons e garçonetes parecem todos modelos.

A beleza nos é oferecida em doses enormes, em vários formatos, para todos os gostos e gêneros. Há loiras altas, morenos fortes, jogadores de pernas grossas e cantoras de barrigas impecáveis. A beleza nos enche os olhos. É um colírio grátis, permanente e intoxicante. Continue lendo…

Clichês

17 de março de 2011 — 4 Comentários

Oi gente! Voltei!!!

Depois de quase um mês de “férias” do blog, finalmente vou postar algo. É algo que vinha sempre voltando à minha mente como tema, e decidi me render. Espero que você seja abençoado!

Abraço grande!

Clichês

Houve um tempo na minha vida em que eu odiava clichês. Para mim, eles pareciam coisa de gente preguiçosa, que não sabia ou não queria pensar com a própria cabeça, que não queria construir alguma coisa original e particular. Eu fugia disso “como o diabo foge da cruz”, evitando falar ou fazer qualquer coisa muito ordinária, previsível ou óbvia demais. Continue lendo…

Tatuagens são para sempre

14 de janeiro de 2011 — 10 Comentários

O que acontece quando você muda e elas permanecem?

Peço licença para postar o texto de um homem que não se professa cristão, mas que escreveu verdades coerentes que são um alerta para nossa geração. Ele é editor geral da revista Época e escreve uma coluna semanal no site Globo.com. Fico impressionada com a capacidade de expressão que Ivan Martins usou nesse texto. Pra quem ta pensando em fazer tatoo, vai aí um ponto de vista nada quadrado, muito menos tendencioso. Grifei as partes que considerei mais show, ok? Vale a pena refletir!

“Conheço uma moça que gastou um bom dinheiro, e um bocado de tempo, tentando, sem sucesso, tirar da orelha uma tatuagem que havia feito na Índia, no tempo em que era devota de um guru famoso. Não sei por que ela queria tirar a marca, mas o que me ficou marcado, para mim, é que ela não estava conseguindo. Continue lendo…

Humildade x Orgulho

4 de janeiro de 2011 — Deixe um comentário

Esta semana, meditando sobre este tema e sendo ministrada nele, o Senhor lembrou-me este texto que eu havia lido há um tempo atrás. Desejei muitíssimo lê-lo novamente, e fui em busca dos meus arquivos pessoais a fim de encontrá-lo. Nossa! Fui muito edificada (novamente), e desejei compartilhá-lo com vocês…

Amanhã, postarei uma pequena parábola acerca do mesmo assunto, para enriquecer a nossa meditação, amém? Fica ligado, e aproveita para se julgar e corrigir, caso necessário. Grande abraço!

Luciana Honorata

“Você já deve ter ouvido muitas vezes a palavra humildade, não é mesmo? Esta palavra é muito usada, mas nem todas as pessoas conseguem entender o seu verdadeiro significado. Continue lendo…

Debruçados na Janela de Deus

12 de novembro de 2010 — 4 Comentários

Palavras nada mais são do que “pedaços de nós” em forma de letras ou sons. Cheguei a esta conclusão enquanto meditava sobre o valor que Deus atribui à sua própria Palavra.

A Bíblia nos fala que Deus e a sua Palavra são um, e consequentemente, se nós fomos feitos à imagem e semelhança do nosso Pai, ou como dizem por aí, “uma duplicata em espécie da sua própria categoria”, porque seria diferente conosco?

Nós somos aquilo que falamos, pois as palavras são apenas uma expressão de nós mesmos.

Expressão é a “enunciação do pensamento por meio de gestos ou palavras escritas ou faladas; é o verbo; é o ato de manifestar-se, mostrar-se, dar-se a conhecer”.

As palavras, então, por si mesmas, não têm valor algum. Quando soltas em um dicionário, por exemplo, chegam a ser entediantes, de tão inertes e sem vida. No entanto, quando usadas por nós, são recheadas de significado, pois traduzem aquilo que somos na essência, revelando vontades, emoções, pensamentos e planos.

É por meio delas que expressamos quem somos e o que pensamos a respeito de nós mesmos e do mundo que nos cerca. Por meio das palavras, nós aparecemos de fato.

Porque, quem sabe as coisas do homem, senão o próprio espírito que nele está? (1 Co 2.11)

O mundo interior é vasto, profundo e particular, mas torna-se parcialmente público por meio das palavras, permitindo-nos ser “compartilhados” às pessoas.

Para mim, foi magnífico descobrir que as pessoas nos “experimentam” por meio do que dizemos. Tudo aquilo que somos e nos permitimos expressar, “entra” nelas por meio daquilo que falamos: as nossas opiniões, as nossas experiências, as sensações… Elas “saem” de nós e alcançam as pessoas, levando-nos em porções para dentro delas, pois palavras são muito mais do que fonemas articulados, e infinitamente mais do que letras unidas e pintadas num papel, elas são idéias vivas!

Gosto de imaginar como se nós fossemos uma grande montanha de areia, e as palavras fossem apenas caminhõezinhos carregados de nós, a levar-nos para outros lugares, para onde as enviamos…

Não me admira que Jesus tenha dito que as palavras que ele falara eram Espírito e Vida (Jo 6.63), visto que as letras, os sons e os gestos são apenas veículos pelo qual as palavras se fazem conhecidas, pois na realidade, elas são algo espiritual.

Perceba que as letras se unem para formar um vocábulo, que gera dentro de nós uma imagem, uma idéia, um pensamento. Estas, por sua vez, geram sentimentos que nos fazem reagir positiva ou negativamente.

Foi justamente por essa razão que Jesus falou que havia limpado os discípulos pelas palavras que os tinha falado, pois a sua vida, as suas idéias, o que Jesus era “por dentro”, foi participado aos discípulos por meio das palavras que pronunciara.

Jesus falava, e suas palavras eram mais do que simplesmente sons. Ele falava não só com a voz, mas com a sua própria vida. Por meio das “palavras” ele se comunicava no sentido mais profundo, “dando-se aos pedaços”, partilhando com os discípulos do seu próprio espírito, das suas convicções, dos seus pensamentos, daquilo que ele é em toda a sua essência. As palavras de Jesus penetravam no coração deles e cresciam como uma semente em terra fértil, limpando-os por dentro!

A expectativa de Deus acerca da vida humana era conhecida por Jesus e, com suas palavras ele trazia os discípulos para o mesmo ponto de vista, fazendo-os enxergar a vida de outro ângulo, incitando-os a experimentar a realidade sob uma nova perspectiva, a qual os homens em geral não possuem, justamente por causa das palavras que receberam em discordância com a Palavra de Deus.

Na verdade, percebi que é como se Jesus estivesse “debruçado na janela de Deus”, sendo participante do ponto de vista divino exposto pelas Escrituras e conhecido apenas por aqueles que se dispõem a buscar a verdade com diligência e sinceridade de coração.

Então, da “janela celestial”, ele vê a vida de uma maneira franca, e nos convida a contemplar a mesma paisagem: o horizonte do plano original do Pai, onde nossos umbigos não são o centro do universo e a felicidade não é privilégio de poucos.

Sabe, já estávamos acostumados a “olhar da nossa própria janela”, cuja vista geralmente dá para os terrenos baldios do egoísmo e da ganância. O diabo “semeou” palavras dentro de nós que falam de um mundo cruel e pervertido. Palavras essas, que embaçaram as nossas vidraças e deixaram a nossa casa suja e bagunçada. Palavras que nos fazem pensar sobre nós mesmos e sobre a vida de uma forma diferente daquele que nos gerou.

Deus nos enviou sua Palavra, Jesus Cristo, para nos “tomar pela mão” e nos “debruçar na sua janela”, a fim de apreciarmos a existência do ponto de vista divino, imutável e indefectível, que nos leva à sua vontade que é boa, agradável e perfeita, e é por meio das palavras que ele faz isso.

Atentemos, portanto, para o Espírito e a Vida que estão na Palavra e nos levam a olhar a realidade sob a perspectiva certa!

“Se permanecerdes em mim, e as minhas palavras permanecerem em vós, pedireis o que quiserdes, e vos será feito” (João 15.7)

Luciana Honorata