Arquivos para vida com Deus

A Dor Cega

30 de junho de 2013 — 6 Comentários


tempestade00

Minha mãe tinha uma unha encravada no dedão do pé. Dessas que ficam feias, horrorosas, e que tinha todo o agravo que uma unha encravada que se preze pode ter – vermelhidão, inchaço, secreção e etc. A coisa tava bem séria.

Isso foi há muito tempo. Na época, meu irmão mais novo tinha por volta de cinco anos e era um pimentinha. Lembro dele estar “travessurando” pra lá e pra cá, quando veio correndo em direção a ela para pedir alguma coisa e, descuidadamente, pisou em cheio justamente na… adivinha! Continue lendo…

Anúncios

200289543-002Agora que já entendemos que a Bíblia é uma revelação progressiva, podemos compreender que o Novo Testamento explica o Antigo e que muito do que foi escrito lá atrás era uma declaração específica, para um povo específico que estava numa condição específica, ou seja, não serve integral e especificamente para nós.

Não é o caso, entretanto, de ser inútil – isso seria, inclusive, uma blasfêmia, pois o apóstolo Paulo claramente aponta que “toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, correção e educação na justiça”. É só que ler o “obscuro” é o caminho mais longo para se compreender a vontade de Deus; além disso, verdade seja dita, indo por lá é mais provável que a gente se complique mais do que se ajude.

Veja bem, a questão é que nem tudo o que está escrito na Bíblia foi escrito para a Igreja! Nós podemos sim, tirar proveito de tudo o que está escrito de algum modo, mas isso não quer dizer que todas aquelas palavras foram direcionadas a nós, e é aí que temos errado.

Precisamos compreender que apesar de Deus não ter mudado, a situação em que o homem se encontra diante de Deus mudou muito ao longo das eras. Deus continuou sendo o mesmo, no entanto, a condição do homem mudou.

Adão, por exemplo, tinha uma condição antes de pecar e outra depois – ele já não era o mesmo depois de desobedecer a Deus, logo, seu relacionamento com ele e as regras que o regiam não eram iguais.

Do mesmo modo, depois da Lei ser entregue a Moisés, a situação do homem perante Deus também mudou, pois a partir de então um regulamento que deveria ser seguido e pelo qual o homem seria julgado foi estabelecido.

Com a vinda de Cristo, sua morte e ressurreição, outra realidade foi instituída e, consequentemente, uma nova era (a da graça) com uma nova lei (do amor) se iniciou.

É claro que estou sendo simplista e resumindo tudo pra facilitar a nossa vida! O que eu quero, é que fique claro que a Bíblia é um conjunto de livros que, reunidos, contam uma história que só faz sentido quando sabemos lê-las.

A primeira coisa a ser considerada aqui, portanto, é que o Antigo Testamento não foi escrito para a Igreja de Cristo, isto é, não foi direcionado a ela. Se ele fosse uma carta, no campo “destinatário”, estaria escrito “aos Judeus Israelitas”.

Ora, isso explica muita coisa!

Explica, por exemplo, porque eu me senti tão mal ao ler as terríveis palavras de Jeremias para o povo de Judá.

De vez em quando, na minha infância espiritual, eu abria a Bíblia com o intuito de conhecer Deus e, como alguém havia me dito que a Bíblia era Deus falando comigo, como boa crente que sempre fui (e modesta, é claro, rs…), acreditei naquilo. Abri em Jeremias 17 e li:

“O pecado de Judá está escrito com um ponteiro de ferro e com diamante pontiagudo, gravado na tábua do seu coração e nas pontas dos seus altares… os teus bens e todos os teus tesouros darei por presa, como também os teus altos por causa do pecado, em todos os teus territórios! Assim, far-te-ei servir aos teus inimigos, na terra que não conheces… Enganoso é o coração, mais do que todas as coisas, e desesperadamente corrupto; quem o conhecerá?”

“Enganoso… meu coração… corrupto… servir meus inimigos… terra estranha… ferro no coração… pecado… Ai, Jesus, me acode!”, eu pensava. E ficava com aquele sentimento de condenação, tentando me lembrar de cada pecado não confessado, procurando “cabelo em sapo”, com medo de Deus, como se a qualquer momento pudesse ser fulminada.

Mas, ei! não era a respeito de mim que Deus estava falando aquilo. Nem é a seu respeito, irmão (aleluia, o conhecimento realmente liberta!). Isso não tem nada a ver conosco, mas eu me perguntava como podia haver tantas coisas boas e ruins ao mesmo tempo escritas sobre nós dentro da mesma Bíblia. Como poderia Deus parecer um bipolar, bastando, para isso, virar algumas páginas?!

Simples: o Antigo Testamento não foi endereçado a nós.

O que Jesus resumiu como “a Lei de Moisés, os Profetas e os Salmos” (Lc 24.44) – o Antigo Testamento – era direcionado aos judeus, e contava uma história e regulamentava um modo de vida que lhes servia naquele tempo, antes de Deus resolver as coisas de forma definitiva através de Jesus. Mas tudo aquilo durara até João Batista (Lc 16.16), e a partir de então começou a ser anunciado o reino de Deus e, somente depois, ser gerada a Igreja.

Para falar bem a verdade, a Igreja ainda não existia nos tempos do AT e ninguém sequer sabia que ela um dia haveria de ser – ela era um mistério. Ninguém tinha conhecimento de que os gentios (todo aquele que não era descendente de Abraão e, portanto, que não era judeu), um dia poderiam ser considerados como povo de Deus, e que o Todo Poderoso ia confundir a teologia dos doutores da Lei, unindo todos os seres humanos (judeus e não-judeus) num só Corpo – a Igreja.

Quando lemos o Antigo Testamento, portanto, estamos vendo Deus tratando com o homem nas limitações daquela época, quando Jesus ainda não tinha vindo e resolvido o problema do pecado, isto é, quando a Nova Aliança ainda não havia sido estabelecida no seu sangue e o coração do homem ainda não havia sido purificado pelo sacrifício de Cristo.

É por essa razão que não é bom que comecemos a ler a Bíblia a partir de Gênesis, mas o ideal é começar pelo Novo Testamento – formado pelos Evangelhos, Atos dos Apóstolos e pelas Epístolas, dando especial atenção a estas, pois foram cartas escritas pelos apóstolos para as igrejas da época com o intuito de instruí-las, corrigi-las e fundamentá-las na verdade.

Elas simplificam (e muito) a nossa vida pelo simples (e maravilhoso) fato de serem direcionadas a nós! Foram escritas para explicar-nos como deve ser a nova vida em Cristo, e quais são as regras que estão valendo depois de estabelecida a Nova Aliança!

Ora, esta é uma Nova Aliança ou um Novo Contrato que, segundo a explicação das epístolas, é superior à Antiga, firmada ou estabelecida em promessas superiores (Hb 8.6) e tem novas regras! (Hb 7.12)

A igreja tem errado em ficar se detendo na leitura e no estudo do Antigo Testamento, firmando suas pregações e ensinamentos naquilo que disse Moisés, naquilo que fez Elias, nas atitudes que teve Davi e os demais profetas. Estamos numa melhor condição que todos eles, e precisamos nos orientar pelos referenciais certos!

Irmãos, estamos numa aliança superior!!!

Biblia

A primeira dica realmente importante para quem quer ler a Bíblia corretamente, é entender que ela é uma revelação progressiva. Pode ser que você já tenha ouvido essa expressão, mas não saiba exatamente o que ela significa, e o objetivo aqui é esclarecer esse princípio.

Afinal, o que é essa tal revelação progressiva de que as pessoas tanto falam?

Significa dizer que Deus se revelou para o homem progressivamente, de modo que o homem sabia muito pouco a respeito de Deus no princípio, mas aos poucos, gradativamente, ele foi revelando a si mesmo e a seu propósito para a humanidade. É como se aquilo que era “obscuro” fosse clareando mais e mais, até que houvesse luz suficiente para que fosse visto com clareza.

É por essa razão que nos embaraçamos tanto quando lemos a Bíblia do começo, a partir de Gênesis, pois queremos entendê-la olhando para o nebuloso, quando o ápice da revelação de Deus se dá com a presença de Jesus na Terra. Hebreus diz:

“Há muito tempo Deus falou muitas vezes e de várias maneiras aos nossos antepassados por meio dos profetas, mas nestes últimos dias falou-nos por meio do Filho, a quem constituiu herdeiro de todas as coisas e por meio de quem fez o universo. O Filho é o resplendor da glória de Deus e a expressão exata do seu ser…” (Hebreus 1.1-3)

Sim, Deus falou com o homem desde o princípio, não poucas vezes, mas muitas, e não somente de uma maneira, mas de diversas. Deus falou com o povo por meio dos profetas e da Lei, no entanto, desde que Jesus começou seu ministério até os tempos de hoje, é por meio dele que Deus nos fala, e é a ele que devemos ouvir, pois ele é a “reprodução precisa de Deus em todos os aspectos”.

Jesus é o ponto final da progressão na qual Deus se revelou, o clímax dela. Ele é aquele que dá sentido ao início, meio e final da Bíblia. Diz-se que ele é a “chave hermenêutica” das Escrituras, e essa expressão tão bonita quer dizer, simplesmente, que se quisermos compreender qualquer coisa que esteja escrita entre Gênesis e Apocalipse, devemos ter em mente que tudo é sobre Jesus, aponta para ele e converge na sua pessoa. Ele é a expressão EXATA de quem é Deus, e ao mesmo tempo de como nós, filhos, devemos ser.

Isto nos mostra que o Novo Testamento é a palavra final. Ele interpreta o Antigo. O livro de Hebreus é um excelente exemplo disso, pois foi visivelmente escrito para esclarecer que todos os ritos e cerimoniais da Lei eram uma figura, um “tipo”, uma sombra da realidade consumada por Jesus. Na verdade, Hebreus explica o propósito do Pentateuco e encerra a questão – estamos em uma aliança superior, baseada em superiores promessas. (Hb 8.6)

É por isso que quando pregamos no Antigo Testamento devemos pensar sobre que aspecto de Jesus o texto mostrará, já que a tônica da pregação da Igreja deve ser Cristo. O uso correto da Bíblia, portanto, é que o Novo Testamento é a revelação final de Deus, e a Bíblia deve ser interpretada sempre à luz da pessoa e dos ensinos de Jesus.

Lucas 16.16 diz: A lei e os profetas duraram até João [Batista]; desde então é anunciado o reino de Deus, e todo o homem emprega força para entrar nele.

Por que, então, ainda queremos tomar o Antigo Testamento regra de fé? Porque não compreendemos isso muito bem, mas vamos chegar lá!

João, inspirado pelo Espírito Santo, disse algo fantástico que lança muita luz nessa questão:

Ninguém jamais viu a Deus, mas o Deus Unigênito [Jesus], que está junto do Pai, o tornou conhecido. (João 1.18 – NVI)

Jesus fez com que soubéssemos quem é Deus, ele nos mostrou o Pai! A versão Revista e Atualizada diz que ele o REVELOU, e de fato, a palavra grega utilizada é exegeomai, que quer dizer “intérprete”, “porta-voz”, “aquele que guia ou conduz até”, assim como os mestres da Lei se levantavam nas sinagogas para interpretá-la. Jesus, entretanto, interpreta Deus para nós com exatidão, e não com uma vaga ideia a seu respeito.

Mas olha só, o mais importante é que João não diz isso assim, “do nada”. Ele diz essas palavras justamente depois de afirmar que Deus havia dado a Lei a Moisés (o Antigo Testamento), mas que a GRAÇA e a VERDADE vieram por meio de Jesus Cristo (v.17), o que significa que ele está dizendo basicamente algo como: “Nem mesmo Moisés, a quem Deus entregou a Lei, chegou a vê-lo (apesar de tradicionalmente os judeus pensarem que ele o viu face a face); logo, ele não o conhecia bem o suficiente a ponto de falar a seu respeito com propriedade, já que tinha uma noção muito limitada da sua pessoa. Moisés nem sequer trouxe a verdade, mas a Lei, que apenas conduzia até aquele que a traria”.

Em contraste com isso, João diz que Jesus trouxe a graça e a VERDADE, o que equivale dizer, em termos práticos, que antes de Cristo não havia verdade no mundo, mas apenas vislumbres dela. E ele não somente viu a Deus, como nos revelou o seu caráter e propósitos, posto que os conhece muito bem.

Em suma, o objetivo do texto é mostrar que é somente por meio de Jesus que podemos conhecer a Deus. Que Cristo é o único que tem propriedade, competência, condições de nos mostrar quem é o Pai. É olhando para Cristo que entendemos os porquês do antes (Antigo Testamento), do agora e do depois (o milênio que iremos inaugurar com a sua segunda vinda, e a eternidade que nos aguarda).

Certa vez Filipe pediu ao próprio Jesus que lhes mostrasse o Pai, e se Jesus fosse nordestino, tinha chamado ele de abestado, tenho certeza! “Ta vendo não, menino?! Pelamordedeus, olhe pra mim que é a mesma coisa, meu filho! Esse tempo todo pra cima e pra baixo com vocês, e ainda não perceberam que tudo o que eu faço é pra mostrar quem ele é? Aquilo que eu digo é porque ouço dele, e aquilo que faço é porque vejo ele fazer!” (João 14.8-11). Entendeu agora ou quer que eu desenhe?! (essa parte digo eu, não o Senhor, só pra descontrair rsrs…)

Mas o fato, é que isso Moisés e a Lei não podem fazer, até porque não lhes pesa como obrigação (a Lei nunca pretendeu revelar Deus, mas guiar o homem até aquele que o faria). Davi também não o pode, mesmo com tantos salmos maravilhosos e proféticos, inspirados pelo Espírito. Elias e Eliseu, com toda a sua unção e poder, apenas o apontam e glorificam, mas nenhum deles lhe explica de fato. Afinal, nenhum míope pode produzir uma pintura fidedigna à realidade da “paisagem”.

*Continua no próximo post… Até lá! 😉

Mano Velho

13 de dezembro de 2012 — 12 Comentários

relogio-nas-flores_largeDiz uma dessas músicas que “grudam” na cabeça, que o tempo é um “mano velho”. Coisa esquisita de se dizer, mas, como é paradoxalmente sensata.

O tempo é conhecido nosso, de longa data. Primeiro ignorado, depois desejado, mas em seguida, fatalmente mal interpretado (fiquei tentada a usar as expressões “odiado” ou “desprezado”, pois há aquela fase em que o temos por inimigo – mas estou dada a eufemismos ultimamente).

O fato é que se o tempo fosse uma pessoa (o tal “mano velho”), ele provavelmente seria um indivíduo pra lá de complexado, com um baita sentimento de inferioridade! Não bastasse Continue lendo…

Jesus é maior que a religião

20 de janeiro de 2012 — 1 Comentário

Um vídeo contendo um belo e verdadeiro poema sobre o que de fato Jesus Cristo representa.

Simplesmente show!

Dispensa quaisquer comentários…

Não pare para esperar

20 de novembro de 2011 — 7 Comentários

Há algo dentro de mim que fica desconfortável com discursos de esperança. Sério, de verdade. Eu não fico muito bem quando ouço alguém enfatizar o valor da espera, pois me dá a sensação de estar parada no tempo, inerte e ociosa, enquanto a vida, dinâmica como é, acontece “lá fora”.

Naturalmente, acho que isso se reflete na quantidade de vezes em que vou ao médico, enfrento fila de bancos, ou vou ao cabeleireiro, por exemplo. É que eu fico imaginando quantas coisas poderia fazer enquanto estou sentada no consultório aguardando ser atendida; quanto eu poderia produzir neste “meio tempo” que se dá entre o começo e o final da fila. É de fato muito angustiante para mim.

No entanto, consigo imaginar algo mais inquietante do que isso: viver uma vida de eterna espera.

É assim que muita gente vive. Eu mesma conheço um monte de pessoas que está sempre esperando por algo. Entra ano, sai ano, lá estão elas, “braços cruzados” diante da vida, aguardando pelo grande dia em que tudo irá mudar e sairão da mediocridade. O dia em que a tão esperada “promessa de Deus” irá se cumprir, o príncipe encantado virá tirar a donzela da masmorra, uma carta do Gugu anunciará a entrega da casa própria, Jesus Cristo se apresentará numa visão dizendo “venha e me siga, tenho algo grande para que você realize”, ou sabe-se lá o que cada um tem esperado.

O que eu sei, é que as pessoas continuam aconselhando-se mutuamente a esperar, e a sensação que me dá, honestamente, é que enquanto isso elas estão deixando de viver e produzir, para sonhar e lamentar. É como se estivessem o tempo todo na antessala das suas próprias vidas, olhando o frenesi do mundo pela janela do tempo e vendo tudo acontecendo para os outros, enquanto batem o pé impacientemente esperando por sua vez. Continue lendo…

Homens não são ratos

12 de novembro de 2011 — 8 Comentários

Dia desses ouvi alguém falando sobre ladrões. Foi numa dessas conversas cheias de animosidade entre comerciantes experientes. Eu apenas ouvia calada o compartilhamento de  informações e sentimentos que havia ali – um deles havia sido roubado, enquanto o outro o instruía acerca dos cuidados que se deve ter.

Em meio àquela atmosfera de tensão, ficaram marcadas na minha memória apenas duas coisas: o sentimento de revolta expressado por eles, e uma frase que um dos dois proferiu:Quando o dono da casa sai, os ratos tomam conta.

Aquela frase me fez pensar. Eu já havia ouvido muitas analogias entre ladrões e ratos, mas pela primeira vez na vida eu realmente pensei com seriedade sobre o assunto.

É que ratos não jogam limpo – eles se escondem pela casa e sorrateiramente passeiam quando não há ninguém por perto. Assaltam nossos armários sem nenhum pudor, consomem aquilo que não é deles, levam uma parte, destroem outra e depois se escondem novamente, esperando a próxima oportunidade. Nem sempre eles deixam rastros, embora fique sempre uma sensação de que há algo errado, só não se sabe o quê. Difícil coisa é pegá-los, tamanha a sua astúcia. Continue lendo…

Eu sei, eu sei… se meu blog fosse um terreno, o mato já estaria crescido, de tanto tempo que fiquei sem postar. Peço perdão aos seguidores, que porventura tenham andado por essas bandas na esperança de ver algo novo, mas minha vida tem andado tãããooo corrida, que não tenho sequer aberto todos os meus emails. Sinceras e constrangidas desculpas. Agradeço a paciência de todos, e aproveito para compartilhar uma reflexão inteligentíssima enviada ao meu email por uma prima mais do que amada – Juliana Cavalcante (Jubinha). Como sempre acontece, ela me fez chorar.

Espero que você goste, e espero que também te alcance se você ainda tem dúvidas quanto ao que te espera no porvir… Seja abençoado, e em breve estarei de volta… =]

Lu Honorata

No ventre de uma mulher grávida, estavam dois bebês. O bate papo acontece assim…

– Você acredita na vida após o nascimento?
– Certamente. Algo tem de haver após o nascimento. Talvez estejamos aqui principalmente porque nós precisamos nos preparar para o que seremos mais tarde.
– Bobagem. Não há vida após o nascimento. Como verdadeiramente seria essa vida?
– Eu não sei exatamente, mas certamente haverá mais luz do que aqui. Talvez caminhemos com nossos próprios pés e comeremos com a boca… Continue lendo…

Almas Velhas

12 de outubro de 2011 — 17 Comentários

Quando eu era adolescente, minha mãe sempre dizia que quando somos bem jovens, pensamos ser eternos. Ela não era cristã na época, e falava sob uma perspectiva meramente natural, tentando explicar que nessa fase da vida nos comportamos como se não somente a morte, mas o envelhecimento fosse uma realidade distante, quase utópica para nós.

Eu realmente vasculhava na minha mente algum indício de expectação da morte, algum temor da fadiga, e de fato não encontrava nada. Eu sequer me imaginava com mais de 25 anos, e duvidava secretamente de que um dia teria aquela lucidez da qual ela falava. Continue lendo…

De um modo geral, adoro os vídeos do Rob Bell, mas esse é demais!

Ser discípulo é bem mais do que ir à igreja… Seja abençoado!

Google God

26 de agosto de 2011 — 1 Comentário

Indagaram-me, nestes dias, o que seria buscar a Deus. E eu, que pensava que isso era assunto encerrado, prego batido com ponta virada, mais uma vez me equivoquei nas minhas deduções particulares. Entretanto, esse não é o tipo de pergunta que se responde com três palavrinhas, e pedi que me dessem a chance de respondê-la com um breve texto. Vamos lá? A Bíblia diz:

O Deus que fez o mundo e tudo o que nele existe… de um só [Adão] fez toda a raça humana…; para buscarem a Deus se, porventura, tateando, o possam achar, bem que não está longe de cada um de nós; (Atos 17.24-27)

Sim, a Bíblia afirma que Deus fez toda a raça humana para buscá-lo, mas a questão é: o que isso significa? O que, de fato, implica a busca? Continue lendo…

Perca Sua Esperança

25 de agosto de 2011 — 2 Comentários

Fazia tempo que eu não visitava o blog da Danny (na verdade, faz tempo que to sem tempo de visitar qualquer blog, rs…), mas hoje, resolvi dar um pulinho lá, e encontrei um texto que me fez desejar compartilhar com vocês, de tão sincero e motivador. Escrito por Rafael Vilarins, vale a pena refletir!

“Não vou escrever sobre a esperança. Não que eu a tenha perdido, mas acho que chega um dia em que a gente deve parar de esperar, e mais ainda, parar de acreditar que algo possa vir acontecer. Não, não estou sendo cético.
O que quero dizer é que não podemos nos apegar e esperar por algo que apenas “pode” acontecer, mas sim em algo que “vai” acontecer!
A palavra em questão não mais é esperança. Ela perde o seu lugar para a fé. Não a difamada fé que vai te fazer ganhar na loteria. A fé sobre a qual escrevo é aquela que vem de Deus. Continue lendo…

Jesus ou Yeshua?

19 de junho de 2011 — 2 Comentários
Olá povo!

Enquanto não chega o tempo de postar algo novo (por pura falta de tempo mesmo!) , vou “Compartilhando Rhema” com vocês novamente. O irmão Flávio Barros falou de um assunto que vez por outra encontro alguém com dúvidas sobre ele…

Bom, se vc um dia se perguntou sobre qual a forma correta de se reportar ao seu Senhor, aqui vai uma ótima explicação para tirar este fardo de sobre a sua vida. Lê aí, sê edificado e visita o blog pra lá de abençoado do nosso irmão da fé!

Grande beijo a todos e até o próximo post! =)

Lu Honorata.

JESUS OU YESHUA?

“Certa vez, encontrei um amigo desnorteado, parecia que estava perdido em seus muitos pensamentos, ao ver-me ele disse-me: “Estou com algumas dúvidas a respeito da minha fé, pois ao lê um artigo religioso, entendi, que todos nós estamos enganados, o artigo dizia que adoramos um falso deus, pois o nome do verdadeiro Jesus é Yeshua. Já que um nome próprio não deve ser traduzido e sim apenas transliterado, ao adorar a Jesus, adoramos a um falso deus”. Continue lendo…

Olá pessoal, tudo bem?

Hoje vou começar a falar sobre um assunto complicado de se abordar, embora necessário. Não quero ser tendenciosa, desequilibrada, nem nada parecido com isso. Meu interesse é trazer luz e conforto para quem se encontra neste estado, expondo o que a Bíblia fala a esse respeito, sem entrar em nenhum extremo, amém?

Quero, de antemão, pedir perdão aos rapazes que seguem o blog, caso eu me reporte às mulheres com uma frequência maior. Apesar da visão bíblica a este respeito ir além de gênero, isto pode acabar acontecendo, visto que sou mulher, além de todos sabermos que as mulheres são as maiores afetadas tanto pelo preconceito, como pelas críticas e até pelas investidas do diabo na sua auto-estima.Vocês podem me perdoar, rapazes?! Rsrs… Espero que sim! Então, vamos lá!

Faz certo tempo que esse movimento “pró-casamento” vem me incomodando. Não que eu seja contra casamento ou não queira casar, ta gente? De maneira alguma. Mas é que vejo como um sentimento mal disfarçado nas pessoas de que ser solteiro é praticamente um pecado – sobretudo se você é mulher. Continue lendo…

Mais um post “Só Para Meninas”, aqui vai um texto extraído do Portal Verbo da Vida, da missionária Rita de Cássia. Adorei o texto da Rita sobre mulheres solteiras servindo ao Senhor… Eu TINHA que compartilhar! Espero que você seja abençoada, e em breve volto por aqui. Beijo grande a todos!

“Eu vejo que hoje em dia algumas pessoas demoram um pouco mais de tempo para casar. Os jovens estão sendo ensinados pela Palavra que existe um tempo certo para essa decisão, mas claro, a pessoa não deve demorar , porque nem é bom você casar muito velho, afinal, você ainda vai construir família. Então, acredito que não exista uma ordem, mas tem uma idade que seria boa para você formar uma família bem equilibrada. Continue lendo…

O que Deus quer para você?

27 de janeiro de 2011 — 6 Comentários

“…não vos torneis insensatos, mas procurai compreender qual a vontade do Senhor.” (Efésios 5.17)

Eu sei, essa é uma das perguntas mais feitas pelos cristãos. A gente se converte, passa instantaneamente a ter prazer na Lei de Deus, e já começa a “fuçar” nas coisas espirituais a vontade de Deus para nossas vidas. Queremos saber o que o Pai espera de nós, os planos que ele tem a nosso respeito. Desejamos fazer a sua vontade imprescindivelmente. Continue lendo…

O Que Somos em Cristo

11 de janeiro de 2011 — Deixe um comentário

Olá povo de Deus!

Fazia certo tempo que estava para publicar este texto da Jacque sobre a nossa nova realidade em Cristo, que eu havia lido há um tempo atrás no Portal Verbo da Vida, e tinha achado bem bacana. Pronto, chegou o dia! Da mesma forma como fui edificada, espero que você também seja!

Grande beijo e até a próxima!

“Diariamente utilizo o metrô como meio de transporte e, passei a observar como um detalhe mínimo pode causar atrasos em vários trens durante um percurso. Uma pessoa que segura a porta para entrar as pressas no trem, enquanto ela está se fechando, consegue atrasar o trem dela, e mais oito trens em estações diferentes. Uma mulher que deixa o guarda-chuva cair na linha do trem, atrasa todos os trens das estações de uma determinada área. Continue lendo…

Humildade x Orgulho

4 de janeiro de 2011 — Deixe um comentário

Esta semana, meditando sobre este tema e sendo ministrada nele, o Senhor lembrou-me este texto que eu havia lido há um tempo atrás. Desejei muitíssimo lê-lo novamente, e fui em busca dos meus arquivos pessoais a fim de encontrá-lo. Nossa! Fui muito edificada (novamente), e desejei compartilhá-lo com vocês…

Amanhã, postarei uma pequena parábola acerca do mesmo assunto, para enriquecer a nossa meditação, amém? Fica ligado, e aproveita para se julgar e corrigir, caso necessário. Grande abraço!

Luciana Honorata

“Você já deve ter ouvido muitas vezes a palavra humildade, não é mesmo? Esta palavra é muito usada, mas nem todas as pessoas conseguem entender o seu verdadeiro significado. Continue lendo…

Então, aproveitando que é Natal, estou postando um texto que achei maravilhoso e fala sobre o real sentido do cristianismo genuíno… Ainda sem tempo para escrever, vou aproveitando para colocar aqui os pensamentos dos meus irmãos que escrevem tão maravilhosamente bem! Seja abençoado!

“A história cristã mostrará a cada um de nós que o cristianismo floresceu através de sangue. Primeiro, Jesus na cruz e sua morte violenta. Depois os apóstolos que morreram defendendo a verdade de que Jesus era ( e é ) Deus e que ressuscitou dos mortos. Uns foram transpassados por lanças. Outros, crucificados ou decapitados. Depois vieram os mártires dos séculos pós-apóstolos. O coliseu com suas feras. As fogueiras. As torturas. Cada morte mais horrenda. Um deles – um desses cristãos que não são nada parecidos com os atuais – foi amarrado pelos pés a um cavalo, que saiu disparado por uma escadaria e seguiu arrastando o corpo do cristão por muitas ruas. Que morte! Que testemunho! Podemos falar de Policarpo, que aos 85 anos respondeu ao procônsul que não temia as feras, nem a fogueira ou qualquer outra coisa. Ele disse que era cristão e que isso significava o seguinte em suas palavras: “porque para o cristão o arrependimento do melhor para o pior não é algo permitido para nós”. Assim, firme e resoluto, Policarpo foi morto. Continue lendo…

Olá, gente, graça e paz!

Resolvi postar um vídeo sobre testemunho interior, que gravei para a série “Como ser guiado pelo Espírito” do Conexão Rhema no Portal Verbo da Vida. Espero que vocês sejam edificados, e sejam guiados pelo testemunho de seus corações!

Beijo grande!

No amor de Cristo, Lu.