Arquivos para dezembro 2011

Eu não poderia deixar este ano ir embora sem me despedir oficialmente, e agradecer a todos os que estiveram comigo durante os dias destes doze preciosos últimos meses. Para mim, este foi um ano MARCANTE em muitos sentidos, e posso olhar para trás contando os louros que ele me deixou. Em 2011 Deus me surpreendeu e me abençoou de modo inenarrável!

É por essa razão que escolhi Drummond – um dos poetas mais marcantes que conheço, e dos quais “roubo” palavras com frequência para me fazer entender.  A propósito, como ele mesmo já falou: 

“Quem teve a ideia de cortar o tempo em fatias, a que se deu o nome de ano, foi um individuo genial. Industrializou a esperança fazendo-a funcionar no limite da exaustão.

Doze meses dão para qualquer ser humano se cansar e entregar os pontos. Aí, entra o milagre da renovação e tudo começa outra vez com outro número e outra vontade de acreditar que daqui para adiante vai ser diferente.”

Mas a mensagem do post mesmo é o poema que vem a seguir, ta? É que Drummond é tão irresistível que não resisti!!! Continue lendo…

Anúncios

Esta é a paráfrase da afirmação feita por Tassos Lycurgo no Café Filosófico da UFRN, cujo vídeo está disponibilizado no You Tube, e estou reproduzindo neste post. Eu sei, com conhecimento de causa, qual o sentimento compartilhado pelos ateus, pois eu tive durante cerca de 10 anos o ceticismo e o orgulho que cega aqueles que se dizem pensadores, mas rejeitam todas as evidências INCONTESTÁVEIS de que a existência de Deus é mais lógica e plausível, do que a negação do seu ser.

Nestes dois videos que se complementam, Tassos mostra de forma imparcial e não religiosa, que o conhecimento científico não nega, mas pelo contrário, aponta para a existência de um DEUS criador e pessoal. Continue lendo…

O Espírito Natalino

23 de dezembro de 2011 — 2 Comentários

Acho muito interessante essa época do ano, com todas essas luzes nas praças e edificações, musiquinhas temáticas, Papai Noel de todos os tipos, pinheiros enfeitados e cartões de crédito estourados. É um período bem interessante.

Até gosto de ver todas aquelas pessoas motivadas, o corre-corre frenético em busca dos presentes de amigos quase secretos (já que a informação sempre vaza ou alguém nos flagra comprando o bendito presente delator), shoppings e salões de beleza lotados, famílias migrando em retorno à terra natal para comemorar…

Dizem que é o tal “espírito natalino”. Continue lendo…

Do jeito que eu sou

19 de dezembro de 2011 — 9 Comentários

Tenho quase um metro e oitenta, minhas mãos são enormes, calço 39 quando não tem 40 e passei os primeiros 22 anos da minha vida numa acirrada luta contra a balança.

Sou mega-hiper-ultra-desastrada, roí as unhas até o sabugo por anos a fio, tenho ciúmes dos meus amigos, tento aprender violão há séculos (não com tanta perseverança) e não saio da mesma música.

Eu falava “assim”, com a língua nos dentes. Era tímida, acredite (na realidade, em essência ainda sou, embora interprete muito bem a expansividade).“Burra” em geografia e história, gosto de pensar que sou boa em matemática e português, mas não sou fluente em outra língua por “medo de perder” a nativa.

Tenho dificuldades de concentração, esqueço fácil de dar o recado. Rotina não é meu forte, disciplina é esforço sobre humano, e gosto de guardar coisinhas velhas com significado – além de alguns segredos…

Ta bom, não vou falar todos os meus defeitos, afinal, ainda quero um pouco de crédito da sua parte, pois tenho algo a dizer. Algo, aliás, que pode mudar a forma como você se vê. Continue lendo…