Arquivos para Pessoal

12079606_998205530243160_100171851842605764_nAdoro usar datas comemorativas como pretexto pra dizer coisinhas pertinentes, então, pra não perder o costume, lá vai:

Hoje é dia do irmão, e eu já parabenizei os meus. Assim eles são: imperfeitos, problemáticos, chatos, impertinentes e inconvenientes muitas vezes, irritantes ao extremo e  nada fáceis. Não me iludo de que não pensem o mesmo de mim, pelo contrário, a adjetivação vai ficar por aí mesmo, nesse patamar. Temos aquele relacionamento dualista de amor e ódio, guerra e paz, tapas e beijos e todos os similares, intermitentemente, desde antes de nos entendermos por gente.

Mas é claro que não tenho só coisas ruins pra falar deles. A parte do amor é muito bem amada, diga-se, não de passagem, mas para ficar registrado mesmo. Falo isso porque tantas vezes nos perdoamos e apoiamos e “embalsamamos” (eu posso dizer isso? já disse) feridas profundas uns nos outros… Gastamos nosso tempo, nosso dinheiro, nosso sono e paciência, pra segurar nossas barras quando, sabíamos, ninguém mais o faria. E apesar de doloridos, nunca nos sentimos no direito de não fazê-lo; apesar de difícil, nunca nos negamos; ou melhor, até mesmo quando nos negamos, o senso de “dever” fraternal, a força “do sangue”, dos laços, do amor e do perdão, estavam lá para nos fazer voltar atrás – e voltamos.

Foi assim que eu me aprendi irmã, e não sei ser de outro jeito. Na imperfeição da minha [louca] família, existe um pacto quase perfeito de “pro que der e vier” entre nós. Penso francamente que não somos os únicos.

Quando me converti, abracei minha família da fé com esse ardor e paixão fraternais que aprendi no meu lar. Eu achava um pouco brega aquele discurso de unidade e toda aquela cantoria trocando cálices no momento da ceia do Senhor, admito, mas na prática, eu era #TeamFraternidade. Cheguei a considerar mais “meus” os irmãos da fé, do que muitos parentes cossanguíneos, porque realmente levei (e levo) a sério as palavras de Jesus, bem como seu exemplo.

Acontece que Jesus disse coisas que nos responsabilizam uns pelos outros tão seriamente quanto irmãos são comprometidos entre si – ou mais. O termo IRMÃO, em primeiro lugar, não é figurativo, visto que nascemos de novo [espiritualmente] NA MESMA FAMÍLIA, e somos um só em Cristo. Eu não sei quanto a você, mas isso mexe comigo: Ele disse que somos membros de um mesmo Corpo – o SEU CORPO, “De maneira que, se um membro padece, todos os membros padecem com ele; e, se um membro é honrado, todos os membros se regozijam com ele.”
1 Coríntios 12:26

Não bastasse isso, Jesus mencionou certa vez, ao ouvir o anúncio de que sua mãe biológica e seus irmãos de sangue o procuravam, que sua família eram aqueles que ouviam e obedeciam à Palavra de Deus. “Eis aqui minha mãe e meus irmãos;
Porque, qualquer que fizer a vontade de meu Pai que está nos céus, este é meu irmão, e irmã e mãe.” Mateus 12:49,50 disse.

Ele ensina, direta e indiretamente, de várias maneiras, com sua vida e palavras, que a consideração que temos por um irmão espiritual deve ser levada a sério de tal forma (e significa tanto) que serve de prova dos 9 para distinguir aqueles que são salvos dos que não são. 1 João 3:14

Eu poderia escrever milhares de linhas aqui, ou até mesmo um livro inteiro sobre como Jesus, pessoalmente, via a família espiritual, e como ensinou aos discípulos a gravidade do relacionamento que nutrimos com, veja bem, preste bastante atenção: NOSSOS IRMÃOS. Eu não estou falando em como lidamos com os PERDIDOS, aqueles que não ouviram falar de Jesus… estou falando dos IRMÃOS DA FAMÍLIA DA FÈ, aqueles que, assim como nós, fazem parte de um organismo vivo cuja cabeça é nosso Senhor Jesus Cristo.

Muito me admira que alguns de nós, considerando-se já maduros no entendimento das Escrituras,.ainda ajam como meninos nesse quesito. Ainda me espanta nosso ardor pelas nações, nossa paixão por missões transculturais, nossa preocupação com os perdidos, quando ainda não aprendemos a tratar os que “caem” ao nosso redor, nossos irmãos, com o amor e a misericórdia que carnais oferecem uns aos outros em momentos de necessidade – e os espirituais deveriam dispensar em muito maior medida.

Os irmãos se apoiam, se aconselham, se  importam, se brigam, se perdoam, se ligam, se presenteiam, se irritam, se intrigam e se fazem as pazes, mas estão sempre lá. Com óóóódio porque “aquele abestado não aprende nunca, e eu avisei”, mas estão lá.

São os irmãos que seguram nossa mão no hospital quando sofremos um acidente, ou que nos levam pra casa quando está tarde e é perigoso voltar de ônibus. São eles que se afligem quando adoecemos, e nos socorrem quando a provisão nos falta, que nos emprestam dinheiro e acreditam nos nossos sonhos. Eles se preocupam quando há tristeza nos nossos olhos e estranheza no nosso comportamento. Mesmo quando estamos errados, é proibido a eles desistir de nós. Eles não nos cortam na carne, e se o fazem, erram gravemente.

Certa vez ouvi que, aos pecadores, redenção, aos irmãos, perdão – e nunca mais esqueci. É muito fácil ser Jesus pra alguém lá fora, que você não conhece e nunca te trouxe nenhum prejuízo ou dor. É fácil FALAR de Jesus, difícil é SER COMO ELE. Este é o verdadeiro cristianismo: o amor “não apenas de palavra e de língua, mas de fato e verdade” 1 João 3:18, , ainda que não seja praticado pela maioria.

No dia do irmão, eu só consegui pensar (além disso tudo que falei, hehehe) na gratidão que há no meu coração a Deus pelos poucos que tenho, que me suportaram nas minhas falhas e continuaram acreditando em mim, me dando o amor e a misericórdia que eu precisava no tempo oportuno. Desejo honrá-los e dizer que vocês foram os braços de Jesus me acolhendo e sua voz me consolando. Eu os amo e desejo retribuir à altura – mesmo com todos os aperreios.

Valeu mesmo, vocês são massa!

 

 

 

 

Travessia

6 de abril de 2013 — 3 Comentários

sinalizac3a7c3a3o1Percebi ontem que todas as vezes em que estou diante de um grande dilema, me vejo vestida num sobretudo escuro, na beirada de uma calçada, pronta para atravessar a rua numa tarde de inverno. Deduzi que provavelmente esta visão seja uma metáfora da minha alma a respeito do acontecimento iminente. O inverno das incertezas supostamente me exige estar preparada para o frio que a falta de alguns aconchegos familiares farão, logo em seguida à travessia. Depois de alguns passos, lá estarei eu, na outra margem, separada do antigo por algumas novas distâncias.

Na maioria das vezes, eu não quero atravessar.

O que mais me marca nessas visões, é a minha nada sutil hesitação. Não é o cenário vintage, o tremular das folhas ao vento gélido, nem o vai e vem dos carros. Até os figurantes passam desapercebidos… Tudo, na verdade, parece meio estático e desfocado, com aquela insistente hesitação em negrito. Pouco do que se passa do lado de fora me chama atenção, mas posso notar cada milímetro de todo o titubeio do meu relutante coração dentro do peito.

O diretor dessa cena deu um close no apego. No foco dessa lente estão o medo das mudanças e a perda de tesouros emocionais – de fases que, uma vez abandonadas, serão apenas vagas lembranças agridoces. Abraço-as todas por dentro, numa despedida prolongada, como se faz com os amores que se deixa ao longo do caminho. Sofro por antecipação de tudo o que não viverei mais.

Entenda, não é que eu vá sentir falta de pessoas, nem de coisas; nem é falta de cidades ou lugares. É falta de quem eu era, antes da passagem que ainda não fiz, mas que me aguarda bem ali.

Sinto falta, ainda aqui, sob o ar denso do inverno, no meio fio da (in)decisão, bem no centro da hesitação protagonista, como alguém com um déjà vu prolongado que espera até o momento em que o farol, ainda intermitente no pestanejar, lhe permita mais alguns momentos bem ali, onde está…

Antes que ele feche, porém, bem no último segundo, estou decidida a correr, porque mesmo com saudade do conhecido, minha curiosidade apaixonada sempre me faz preferir ver o que está lá, exatamente do outro lado, no final da travessia.

Luciana Honorata

Vitória e Gratidão

15 de março de 2012 — 26 Comentários

Pouco mais de 24horas que foram uma prova da nossa fé. Resumo este último dia com duas palavras: vitória e gratidão.

Vitória porque em nenhum momento duvidamos que ela já era nossa.

Conhecíamos a verdade de que Cristo já conquistou-a na cruz há mais de 2 mil anos, e a agarramos com unhas e dentes. E não a largamos por nada nessa vida! Ele venceu o diabo, e despojou-o, expôs ele publicamente ao ridículo (Cl 2.15), e depois nos entregou esta vitória colocando-o debaixo dos nossos pés, para que nunca mais tenhamos que sofrer em suas mãos! Continue lendo…

Esta é a minha declaração pública e oficial sobre tudo o que está acontecendo. Espero que seja satisfatória…

………………………………………………………………………………………………………………..

……………………………………………………………………………………………………………………………………………. Continue lendo…

Do jeito que eu sou

19 de dezembro de 2011 — 9 Comentários

Tenho quase um metro e oitenta, minhas mãos são enormes, calço 39 quando não tem 40 e passei os primeiros 22 anos da minha vida numa acirrada luta contra a balança.

Sou mega-hiper-ultra-desastrada, roí as unhas até o sabugo por anos a fio, tenho ciúmes dos meus amigos, tento aprender violão há séculos (não com tanta perseverança) e não saio da mesma música.

Eu falava “assim”, com a língua nos dentes. Era tímida, acredite (na realidade, em essência ainda sou, embora interprete muito bem a expansividade).“Burra” em geografia e história, gosto de pensar que sou boa em matemática e português, mas não sou fluente em outra língua por “medo de perder” a nativa.

Tenho dificuldades de concentração, esqueço fácil de dar o recado. Rotina não é meu forte, disciplina é esforço sobre humano, e gosto de guardar coisinhas velhas com significado – além de alguns segredos…

Ta bom, não vou falar todos os meus defeitos, afinal, ainda quero um pouco de crédito da sua parte, pois tenho algo a dizer. Algo, aliás, que pode mudar a forma como você se vê. Continue lendo…

Bate-bola

29 de novembro de 2010 — Deixe um comentário

Oi, gente! Recebi de Danny o convite de responder estas perguntinhas logo abaixo, que revelam um pouco sobre mim, e aceitei o desafio! A regra é indicar 5 blogs para fazer o mesmo. Foi divertido responder, me fez pensar um pouquinho… Ninguém caçoe das minhas respostas, ta? 🙂

1. O que te levou a criar um blog?

Sempre amei ler e escrever, e desde pequena cultivava o hábito de fazer diários, poemas, textos, enfim… Desenvolvi, então, com o passar dos anos, a habilidade que me havia sido dada por Deus. Quando me converti, percebi que havia tanta coisa dentro de mim que poderia ser útil para outras pessoas… Coisas que eu tinha aprendido com Deus, que muitos também precisam saber e aos quais eu jamais teria oportunidade de encontrar pessoalmente para compartilhar. Vi, então, o blog como uma oportunidade e ferramenta de propagação do evangelho de Cristo… Uma voz virtual, de alcance inimaginável. Por isso estou aqui! Continue lendo…

Folhas da Minha Árvore.

23 de dezembro de 2008 — Deixe um comentário

Eu sei que provavelmente já devo ter escrito sobre isso… Se não eu, alguma outra pessoa bem próxima a mim, mas eu aprendi que com o tempo, a gente vai mudando e nossas perspectivas a respeito da vida vão mudando, de modo que falar sobre o mesmo assunto se torna um tipo de “aventura filosófica” rsrs…

É sobre estações, sabe…

Estações são períodos que vivemos que se distinguem por algumas marcas. Quando passamos de uma estação para outra, algumas coisas são tiradas de nós e outras nos são acrescentadas. Coisas essas que faziam parte da nossa vida de tal modo que a caracterizavam. A gente pode até dizer que “naquele tempo em que tal e tal coisa estavam acontecendo na minha vida…” Aquela época é marcada e carimbada por algumas circunstâncias ou pessoas.. Podemos até lembrar os cheiros, os gostos, as sensações… Sejam boas ou ruins, quando lembramos daquela “estação”, lá está o frio ou o calor que ela causou; o perfume das flores daquela “primavera”, ou as folhas secas que aquele “outono” derrubou da nossa árvore…

O bom, é saber q a despeito das folhas que se perderam, existem aquelas que lá permaneceram e nos ajudaram a respirar…

É precisamente dessas folhas que eu quero falar.

Muitas vezes, choramos as folhas que caíram, mas não celebramos as que ficaram.

As folhas, digo, são justamente as pessoas que passaram (ou ficaram) nas nossas vidas. (Já existe um texto mais ou menos assim, não é?! Rs. Não foi proposital, ta? Kkk…)

Uma das coisas que eu tenho aprendido, é que apesar das muitas estações que vivi e viverei, existem pessoas que estão sempre comigo…

Deus tem me ensinado a honrá-las.

Quem me conhece bem, sabe que eu não conto minha vida antes de Cristo. Pra mim, é como se ela nem existisse… Por isso, quero me ater aqui, apenas às folhas da minha árvore cristã e celebrar com alegria as minhas folhinhas que ficaram! =)

Bom, começando das folhinhas que estão bem perto do tronco, né…? Rs…

 

Obrigada, Mainha e Painho (vai assim mesmo, como eu chamo em casa..hihih..), vocês são meus alicerces, e me arrependo das estações nas quais não sabia o verdadeiro significado da presença de vocês na minha vida… Quero honra-los mais a cada dia.

 

Obrigada, Nina. Suas implicâncias me ajudam a exercitar o fruto do Espírito. Amo-te, galega… 😉

 

Obrigada, Maria Cecília. O preço de oração que você paga pela minha vida nunca poderei retribuir… É tão alto quanto a comparação de Isaías 55… Rs… Seu companheirismo e consideração também me constrangem. #)

 

Obrigada, João Pedro. Mesmo tão pequeno, vc tem me ensinado o q é ser atencioso e amável com as pessoas.

 

Obrigada, Brayner. Amigo sincero e zeloso que cuida de mim em cada estação de uma maneira diferente, não por que muda, mas pq se adapta à brecha q eu deixo…  Vc já meu irmão a muito tempo…

 

Obrigada, “meu maestro” Einstein. Você foi o único que soube me amar na estação em que eu não era “amável”. Você provou que sabe amar o amor de Deus e isso te fincou na minha vida para sempre… Você é o meu Jônatas… já sabe, né…

 

Obrigada, Junior (ou Fábio, podem escolher..Rs). Obrigada por ter acreditado na minha vida e gasto tanto tempo comigo. Sua amizade é um tesouro inestimável e quero que vc saiba q eu acredito em vc: Meu pai da fé! Rsrs..

 

Obrigada, Derlan. É difícil falar de ti… nem entendo o porquê, mas suspeito q é por que tua presença na minha vida é tão profunda que eu não poderia expressar com poucas palavras.. é algo espiritual. Vai aqui uma tentativa: A-M-I-G-O

 

Obrigada, Luana. Incríííível uma mulher de Deus assim!!! Sempre com a palavra certa na hora certa. Louvo a Deus pela sua vida! Você foi a mão que tirou Luciana de um poço  de autocomiseração.

 

Obrigada, Suênia. Minha amiga iôiô, que vai e vem intermitentemente, mas que nunca deixou nem vai deixar de morar no meu coração… Você tem um lugar guardado, de graça, aqui dentro.

 

Obrigada, Lidiane… Vc é uma folha que não nasceu no mesmo tempo que as outras, mas q nunca sequer “amarelou”… Um dos referenciais de mulher cristã mais fortes que tenho ao meu redor. Quando eu crescer, quero ser igual a tu! =)

 

Obrigada Bárbara. Vc também é uma folha novinha, mas eu sei, pq sei q, não vai cair. A despeito das suas qualidades ou defeitos, o seu valor pra mim está em Deus ter te apresentado a mim. Te amo.

 

Obrigada Letícia. Desconfio seriamente que Provérbios 33 ta falando é de você. Kkkk.. Minha amiga, você tem um valor IMENSURÁVEL! Não inventa de “cair” da minha árvore… quero ficar velhinha tomando chá na tua casa.

 

Sobretudo, meu agradecimento mais profundo e sincero se dirige ao amigo mais íntimo da minh’alma: o divino ESPÍRITO SANTO… Quero te dizer, amado, que fico sem palavras diante da sua fidelidade e amparo… Sei q a minha árvore poderia secar de tal maneira que todas as folhas caíssem e não estivessem mais COMIGO, porém você, não deixaria de estar EM MIM!

 

Te amo e confio cada dia mais no SEU AMOR…

 

Feliz 2009 a todos.

 

Luciana Honorata Agostinho.

Paixão..

21 de outubro de 2008 — Deixe um comentário

Não há outro lugar……. Não há…

Nenhum outro ponto do universo é melhor para se estar do que debaixo das tuas asas…

Não existe lugar mais seguro… não há maior conforto… não há maiores esperanças…

Neste lugar, os mistérios são descortinados e podemos ver com clareza o amanhã.

Aqui, podemos olhar em volta e saber que tudo não passa de uma grande ilusão… o mais importante é você, Senhor!

Como é fácil perceber isso quando estmos bem no centro…! Como é óbvio que nem tudo se resume a essa breve e insignificante vida natural! Como se invertem os valores e podemos considerar a verdade na perspectiva certa..

Ha-ha-ha… uma alegria inenarrável me possui quando contemplo o céu. Fecho os olhos e posso regozijar com as tuas maravilhas, pois não só o futuro, mas o teu "presente" pra mim é magnífico! São os caminhos de delícias que vc preparou pra mim.. estou neles! Aleluia! Estou com os pés nestes caminhos e não quero me desviar nem para a esquerda, nem para a direita… Sei que eles vão me levar a Ti.. sei que estarei contigo em breve.. por isso, não quero mais embaraçar os meus pés! Não me atrevo a me deixar iludir novamente.. não me atrevo a arriscar estar longe de ti uma outra vez mais.. daqui, só pra mais perto…bem mais perto!

Vem um novo cântico aos meus lábios agora.. um canto apaixonado, como da donzela para o mocinho na história de amor… Rendida e apaixonada.. rendida e fascinada.. rendida e sedenta pra estar junto…

Sou tua Senhor.. total e simplesmente tua…recebe a minha devoção.. recebe a minha adoração expressa em palavras q jamais podem expressar a verdadeira essência do meu coração para com o seu.. recebe mesmo sendo imperfeita não tão poética quanto muitas q ja recebestes… mas completamente sincera e apaixonada…

Eu te amo!

É verdade… prefiro estar no deserto, porém no centro da vontade de Deus, do que em qualquer palácio deste mundo! Sabe, gente, descobri algo maravilhoso (q talvez vc tbm não tenha descoberto ainda): eu tenho um dono! Aleluia!!! Deus está cuidando da minha vida! Da minha felicidade, dos meus suprimentos, da minha saúde… Deus está cuidando da minha família, do meu trabalho… do meu ministério e da minha alma…
Os meus sentimentos e minhas preocupações, eu tenho entregado a Ele..dia após dia, pedacinho após pedacinho.. e as coisas q eu não consegui entregar ainda, vou gerando confiança no meu coração p/entregar à medida q vou contemplando + e + o agir Dele e conhecendo Seu caráter!
E sabe, isso não é um privilégio só meu! Está disponível pra todos! A palavra diz "aproxime-se de Deus, e Ele se aproximará de vc!"
Quando escolhemos entregar tudo a Deus, sabendo q Ele tem maior competência do q nós pra cuidar das nossas vidas, podemos descansar e usufruir das maravilhas q Ele faz… mas só quando entregamos tudo nas Suas poderosas mãos!!!
Não vale a pena comer dos manjares do mundo, nem se deter no nosso próprio entendimento.. nunca poderemos ver além como Ele, nem nunca teremos pensamentos mais sábios q os do nosso Deus! Ousemos agradá-lO com a nossa fé e teremos incríveis surpresas!!